quinta-feira, 19 de julho de 2018

Decisão de Wellington Dias será acatada

Um bar de Teresina, conhecido por reunir políticos e empresários, foi palco, agora a noite, de uma das conversas mais esperadas no dia de hoje.
Os personagens do encontro foram Júlio Arcoverde, Assis Carvalho e Marcelo Castro. Bastidor aponta que todas as arestas foram cortadas e tudo acertado em torno de manter a vontade do governador Wellington Dias: Regina Sousa vice e Marcelo Castro ao Senado na chapa governista.
De lá, o grupo trocou WhatsApp com Dias e disse que estava tudo certo. Governador respondeu com emoji de agradecimento.
Por Samantha Cavalca

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Wellington Dias comunica a Themístocles que Regina vai ocupar a vice


Encontro ocorreu no Palácio de Karnak
O governador Wellington Dias finalmente definiu sua chapa majoritária na noite desta terça-feira (17) e comunicou sua decisão à bancada do MDB durante reunião a portas fechadas no Palácio de Karnak. O GP1 apurou, em primeira mão, que Wellington Dias disse a Themístocles Filho que ele não será o seu vice e sim, Regina Sousa. Já Marcelo Castro vai concorrer ao Senado ao lado de Ciro Nogueira.
Wellington também definiu que o PT vai formar o “chapão” com os demais partidos aliados.
Além de Themístocles, ainda estiveram presentes na reunião Marcelo Castro, João Mádison, Pablo Santos, Liziê Coelho, Zé Santana, Ismar Marques e Mauro Tapety.


O comunicado não agradou o presidente da Assembleia, que saiu da reunião sem falar com a imprensa. A reportagem apurou, que o deputado só vai se pronunciar, após encontro com a bancada do MDB, que ocorrerá às 10h desta quarta-feira (18), na sede do partido.

Marcelo Castro disse que amanhã o partido dará sua palavra final. “Eu não quero antecipar antes da gente se reunir pra discutir, o MDB vai analisar e a gente vai assumir uma posição que possa anunciar pra todos, pra sociedade. O MDB vai se reunir, provavelmente, amanhã pela manhã, vai analisar o quadro e anunciar a posição que vai ser tomada”, declarou.

Wellington Dias deconversa

Wellington disse apenas que o encontro foi positivo e não deu maiores detalhes. Questionado se o MDB vai continuar na base, o governador respondeu: "É um diálogo que vamos fazer com todo nosso carinho e todo o nosso desejo é esse".

Assis Carvalho
Poucos minutos antes de se reunir com o presidente da Alepi, o governador esteve com o deputado Assis Carvalho. O presidente do PT saiu do gabinete do governador distribuindo sorrisos, e ao contrário do que vinha defendendo, não excluiu a possibilidade do chapão. “A posição do PT nós vamos discutir nos dias 27 e 28. A decisão dos delegados será a decisão que será mantida. Como presidente não tenho outro alternativa, vou defender a posição dos delegados”, declarou.

GP1

terça-feira, 17 de julho de 2018

PESQUISA OPINAR: Wellington Dias mantém a liderança com 47% dos votos ao Governo

A dois meses e 20 dias para as eleições, o governador Wellington Dias (PT) segue liderando a corrida eleitoral para o governo do Estado. 

A segunda pesquisa do Instituto Opinar - divulgada nesta terça-feira (17) pelo Jornal do Piauí - revela que o petista tem 47,69% das intenções de votos, com quarenta pontos à frente do segundo colocado.
O deputado estadual, Luciano Nunes, pré-candidato do PSDB, aparece com 7,21% das intenções de voto e o senador Elmano Férrer, pré-candidato pelo Podemos, aparece com 5,18%.
Comparando com a última pesquisa, o governador teve uma redução de cerca de três pontos percentuais nas intenções de votos que era de 50% e passou para 47,69%.

Luciano Nunes subiu um ponto percentual, mas manteve empatado tecnicamente com o senador Elmano Férrer.

O instituto entrevistou 1.082 eleitores no período de 12 a 14 de julho. A margem de erro é de 2,97% para mais ou para menos e ouviu eleitores em 51 municípios piauienses. 

Os números estão registrados no Tribunal Superior Eleitoral - BR 06707/2018 e no Tribunal Regional Eleitoral  - PI 04929/2018 

Veja os números:


Segundo turno

Wellington Dias consegue se reeleger em um possível segundo turno das eleições, de acordo com levantamento do Instituto Opinar. Foram feitas simulações com os pré-candidatos Luciano Nunes e Elmano Férrer.


Fonte: Cidade Verde

Lula aparece com 65% dos votos no Piauí; veja cenário sem o petista na eleição

Pesquisa Opinar mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como favorito entre os eleitores do Piauí na corrida para o Palácio do Planalto.
A pesquisa do Instituto Opinar - divulgada nesta terça-feira (17) no Jornal do Piauí - revela que Lula tem 65,53% das intenções de voto para a Presidência da República. No levantamento anterior, o petista tinha 69% das intenções de voto.

A pesquisa mostra a expectativa do eleitor piauiense para as eleições deste ano. Foram ouvidos 1.082 eleitores em 51 municípios do estado. 

Os números estão registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para Presidente e o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para Governo e Senado. O levantamento ocorreu no período de 12 a 14 de julho.

Veja números com Lula:


Cenário sem Lula

Em pesquisa estimulada e em um cenário sem o Lula, os três candidatos Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Jair Bolsonaro(PSL) aparecem empatados tecnicamente com percentual de 9%. 

A pesquisa tem margem de erro de 2,97% para mais ou para menos. O instituto entrevistou 1.082 eleitores em 51 cidades do estado no período de 12 a 14 de julho. 


Fonte: Cidade Verde

NOTA DE FALECIMENTO- MARCOS HENRIQUE ARAÚJO LEAL


Com pesar, informamos o falecimento de Marcos Henrique Araújo Leal, funcionário da OAB subseção Parnaíba.

O velório está sendo realizado na Sede da Oab, na Av. Primeiro de Maio, 1070 – bairro Cantagalo.


Wellington Dias e Ciro devem definir hoje disputa proporcional



Ciro NogueiraO senador Ciro Nogueira Filho (Progressistas) vai se reunir, na manhã desta terça-feira (17), com o governador Wellington Dias (PT-PI). O objetivo do senador é deixar o encontro com uma resposta definitiva sobre o destino da coligação já que até esse momento, o governador ainda não fechou a composição da chapa majoritária, e nem tão pouco, resolveu os problemas da disputa proporcional.


Ciro ressaltou a instabilidade provocada pela indefinição dos rumos do grupo e disse ao GP1 que, dependendo dos entendimentos, os aliados precisam traçar suas estratégias para a disputa eleitoral. “Vou ter uma conversa agora com o governador e a minha expectativa é que ele feche isso [chapas majoritária e proporcional] hoje”, falou o senador à nossa reportagem.

Imbróglio

O governador ainda não conseguiu convencer o seu partido, o PT, a compor o chapão, que reuniria todos os partidos da base. Os petistas mantem a estratégia de sair de chapa pura para deputado estadual e essa resistência tem provocado uma série desentendimentos no grupo, que tem impedido a formação do grupo proporcional.
Ciro, assim como os principais partidos da coligação, defende o chapão que, segundo ele, ajudaria a eleger um número maior de deputados estaduais e federais. “O Progressistas quer o chapão porque isso nos possibilitaria eleger mais representantes na Câmara e Assembleia”, justificou ele.

Foto: Lucas Dias/GP1

segunda-feira, 16 de julho de 2018

A 3 meses da eleição, só 5 Estados têm líderes para vencer no 1º turno



A menos de 3 meses das eleições de 7 de outubro, pesquisas disponíveis em 21 unidades da Federação indicam que disputas em apenas 5 Estados podem ser definidas já no 1º turno: Alagoas, Bahia, Goiás, Maranhão e Piauí. Em todos os demais há ainda grande indefinição.

Esse número pequeno de líderes destacados nas eleições para governador nos Estados é pouco usual a esta altura da campanha. Em outras eleições, nesta época, havia mais certeza sobre os possíveis vencedores.
Em muitas unidades da Federação nas quais há pesquisas recentes disponíveis é grande a soma de quem vota em branco, nulo, está indeciso ou não quer responder. A taxa de “não voto” passa de 30% em 14 disputas.
Também chama a atenção o fato de que 11 governadores que tentam se reeleger não estejam em 1º lugar nas pesquisas. Márcio França (PSB), em São Paulo, e Robinson Faria (PSD), no Rio Grande do Norte, nem sequer aparecem na tabela abaixo, pois estão com baixa intenção de voto –o levantamento do Poder360 só considerou quem é “competitivo” (os que estão em 1º lugar ou em 2º lugar empatados).
Poder360 analisou mais de 300 pesquisas de intenção de voto a respeito das disputas de 2018. A seguir, 1 infográfico com os levantamentos mais recentes e registrados na Justiça Eleitoral com dados sobre a eleição para governador nos Estados e no Distrito Federal:

DEFINIÇÃO NO 1º TURNO

Se a eleição fosse hoje, venceria quem tem mais intenção de votos do que todos os adversários somados. Esse cenário só é observado em 5 Estados no momento.
Em Alagoas (Renan Filho, MDB), Bahia (Rui Costa, PT), Maranhão (Flávio Dino, PC do B) e Piauí (Wellington Dias, PT), os atuais governadores lideram nas pesquisas com a maioria absoluta dos votos.
Em Goiás também há chance de definição no 1º turno, mas com renovação.
O senador Ronaldo Caiado (DEM) é líder isolado com 37% das intenções de voto, e desbancaria o atual governador, José Eliton (PSDB), que assumiu em abril, quando o também tucano Marconi Perillo deixou o cargo para concorrer ao Senado.
José Eliton tem 11% e divide o 2º lugar com o emedebista Daniel Vilela, com 10%, portanto empatados na margem de erro de 3 pontos percentuais para mais e para menos, segundo a pesquisa Ibope realizada de 7 a 10 de julho de 2018, com registro no TRE sob o nº GO-03704/2018.

CHANCE DE REELEIÇÃO

Além dos 4 mandatários que se reelegeriam ainda na 1ª rodada de votações, há mais 11 governadores com chance de ir ao 2º turno: em AM, DF, ES, MG, MS, MT, PE, RS, SC, SE e TO.
Amazonino Mendes (Amazonas), José Ivo Sartori (Rio Grande do Sul) e Mauro Carlesse (Tocantins) aparecem como líderes nas pesquisas nos respectivos Estados.
Nos casos do Amazonas e de Tocantins, os atuais governadores não foram eleitos em 2014. Amazonino Mendes (PDT) e Mauro Carlesse (PHS) venceram eleições suplementares, depois que os então titulares José Melo (Pros) e Marcelo Miranda (MDB) tiveram seus mandatos cassados.
O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, do PSB, aparece numericamente à frente, mas está tecnicamente empatado com Marília Arraes (PT) e Armando Monteiro (PTB), dentro da margem de erro de 4 pontos percentuais para mais e para menos do levantamento feito pela Datamétrica de 8 a 9 de junho, registrado no TRE-PE sob o nº PE-02448/2018.
No Espírito Santo, o atual governador, Paulo Hartung (MDB), briga pelo 1º lugar com Renato Casagrande, do PSB. Mas aparece na pesquisa numericamente atrás, com 0,4 ponto percentual a menos.
Casagrande, com 27,9%, e Hartung, com 27,5%, estão empatados na margem de erro de 2,5 pontos percentuais para mais e para menos do estudo feito pelo Paraná Pesquisas de 28 de junho a 3 de julho, com registro no TRE-ES sob nº ES-02366/2018.
Os demais, que aparecem em 2º lugar nas pesquisas e que teriam hoje chances de ir ao 2º turno, são os governadores do Distrito Federal (Rodrigo Rollemberg, PSB), de Minas Gerais (Fernando Pimentel, PT), Mato Grosso do Sul (Reinaldo Azambuja, PSDB), Mato Grosso (Pedro Taques, PSDB), Santa Catarina (Eduardo Pinho Moreira, MDB) e Sergipe (Belivaldo Chagas, PSD).
Nesses Estados, lideram:
  • DF – Jofran Frejat (PR);
  • MG – Antonio Anastasia (PSDB);
  • MS – Odilon Oliveira (PDT);
  • MT – Mauro Mendes (DEM);
  • SC – Esperidião Amin (PP);
  • SE – Eduardo Amorim (PSDB).
Uma observação sobre Santa Catarina e Sergipe: Eduardo Pinho Moreira e Belivaldo Chagas eram vice-governadores dos respectivos Estados. Assumiram em abril deste ano, quando os então titulares Raimundo Colombo (PSD-SC) e Jackson Barreto (MDB-SE) renunciaram ao cargo para concorrer ao Senado.

RENOVAÇÃO E CONTINUIDADE

Além de Goiás, outros 6 Estados com pesquisas disponíveis –AC, PR, RJ, RN, RO e SP–  podem eleger 1 nome novo. Em 3 deles deve haver renovação do grupo político.
As pesquisas indicam que o 2º turno em Paraná, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte não terá na disputa 1 candidato do partido que está atualmente no governo.
Já em Acre, Rondônia e São Paulo, se a eleição fosse hoje, as legendas que já estão no comando dos Estados avançariam para a 2ª etapa.
O Acre, governado por Tião Viana (PT), pode mudar para o PP do senador Gladson Cameli (36,08%), ou continuar com o PT do ex-prefeito de Rio Branco Marcus Viana (31,41%), conforme mostrou a pesquisa Delta, de 22 a 29 de maio de 2018, com margem de erro de 2,9 pontos percentuais e registro no TRE-AC sob nº AC-03985/2018.
Acir Gurgacz (PDT), com 22,8%, divide a preferência do eleitor de Rondônia com Jaqueline Cassol (PP) e Maurão de Carvalho (MDB), com 18,4% e 16,5%, respectivamente.
Cassol e Maurão estão tecnicamente empatados no 2º lugar, dentro da margem de erro de 2,5 pontos percentuais para mais e para menos, no levantamento da Haverroth, de 25 a 30 de junho de 2018, com registro no TRE-RO sob nº RO-01389/2018.
Rondônia era governada por Confúcio Moura (MDB), eleito em 2014. Seu vice, Daniel Pereira (PSB), assumiu em abril, após Confúcio renunciar para concorrer ao Senado.
Em São Paulo, João Doria (com 19%) pode manter a hegemonia do PSDB no Estado, ou perder a eleição para o MDB de Paulo Skaf (17%). Ambos estão empatados dentro da margem de erro de 3 pontos percentuais para mais e para menos na última pesquisa Ibope, realizada de 23 a 26 de junho de 2018, com registro no TRE-SP sob nº SP-06856/2018.
O atual governador do Estado, Márcio França (PSB), que substituiu o tucano pré-candidato ao Planalto, Geraldo Alckmin, aparece em 3º lugar com apenas 5% das intenções de voto. Se a eleição fosse hoje, França estaria fora do 2º turno.
As pesquisas no Paraná mostram que o embate deve ir ao 2º turno entre o nome do PSD, Ratinho Jr. (28,4%), e do PDT, Osmar Dias (24,33%). A atual mandatária, Cida Borghetti (PP), aparece em 3º, com 12,53%, taxa que hoje a deixaria fora da disputa.
Borghetti assumiu o Palácio Iguaçu no lugar de Beto Richa (PSDB), que renunciou em abril para candidatar-se ao Senado.
Os resultados no Paraná foram divulgados pela Arbeit Intelligence, em pesquisa realizada de 24 a 28 de junho de 2018, com registro no TRE-PR sob nº PR-06675/2018. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais para mais e para menos.
No Rio de Janeiro, a disputa se dá entre o senador Romário (Podemos), o ex-prefeito da capital fluminense Eduardo Paes (DEM) e o ex-governador Anthony Garotinho (PRP). Desde 2006, o Rio é governado pelo MDB (ex-PMDB).
Romário lidera a última pesquisadivulgada, com 24,8% das intenções de voto, à frente de Paes e de Garotinho, com 13,5% e 11,2% respectivamente, empatados dentro da margem de erro de 2,5 pontos percentuais para mais e para menos do levantamento do Paraná Pesquisas, realizado de 4 a 9 de maio, com registro no TRE-RJ sob nº RJ-09134/2018.
O comando do Rio Grande do Norte, segundo as pesquisas mais recentes, deve ficar entre o PT e o PDT. A senadora petista Fátima Bezerra tem 26,06% das intenções de votos, contra 16,06% de Carlos Eduardo (PDT).
O atual governador, Robinson Faria, do PSD, aparece com 9,47% e neste momento não teria chance de ir ao 2º turno, segundo a pesquisa Consult, de 26 a 29 de junho, com margem de erro de 2,3 pontos percentuais para mais e para menos, registrada no TRE-RN sob nº RN-03673/2018.

GRUPOS POLÍTICOS

Em outro infográfico, os mapas mostram a evolução do comando dos grupos políticos nas unidades federativas desde 1994 e uma estimativa para 2018, conforme os partidos posicionados numericamente em 1º lugar nos levantamentos (ou seja, sem considerar a margem de erro). Leia abaixo:
Na comparação com o mapa de 2014, há uma tendência de troca de partido no comando de 15 unidades da Federação: Acre, Amazonas, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins.
Em 7 Estados, os mesmos grupos políticos continuariam no governo: Alagoas, Bahia, Maranhão, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul e São Paulo.
Amapá, Ceará, Pará, Paraíba e Roraima não têm pesquisas recentes disponíveis.
O partido que mais perderia seria o MDB, que em 2014 elegeu 7 governadores. O mapa aponta que a sigla é favorita em apenas 2 Estados: Alagoas e Rio Grande do Sul.
O PT, com 5 conquistas em 2014, perderia Minas Gerais para o PSDB neste ano, mas ganharia o Rio Grande do Norte. O mapa mostra o PT liderando hoje só em 3 Estados: BA, PI e RN.
Em 2014, o PSDB venceu em 5 Estados. Hoje, segundo as pesquisas, os tucanos perderiam 4 e manteriam apenas São Paulo, o que levaria a um novo recorde em solo paulista: teriam a chance de ficar 28 anos no poder.
O PSDB ganharia a eleição em Sergipe e voltaria a governar Minas Gerais, perdido para o PT na eleição passada e com 10,6% do eleitorado, o 2º maior do país, abaixo apenas de São Paulo, que reúne 22,4% dos eleitores.
Com isso, os tucanos têm a preferência dos 2 maiores eleitorados, que correspondem a 48.741.368 eleitores.

Rodrigo Zuquim

Projeto Reviver auxiliará parnaibanos quanto à prevenção ao suicídio

Com o objetivo de realizar atividades voltadas para a prevenção ao suicídio, um grupo de pessoas, que tem em sua composição, psicólogos e outros voluntários da cidade, iniciarão no mês de setembro do corrente ano, o Projeto Reviver. Os atendimentos serão voltados para pessoas da cidade de Parnaíba.

Recentemente, foi realizada uma reunião para definir pontos importantes a serem trabalhados com a comunidade. Hoje, como a segunda maior cidade do Estado em termos de população, Parnaíba tem um dos maiores números de casos de suicídio. O assunto deve ser trabalhado de maneira cautelosa e ser entendido pelas autoridades, como problema de saúde pública.

Por Tacyane Machado – Blog Extra Parnaíba

Assis revela proposta feita pelo PT ao governador para resolver impasse

O presidente do PT no Piauí, deputado federal Assis Carvalho, revelo a proposta apresentado pelo partido ao governador Wellington Dias (PT) para se chegar à paz na base aliada. Ele explica que pela tranquilidade do grupo, nenhum partido deve ter 100% dos pleitos atendidos.
Assis enumera os pontos em que PT, MDB e Progressistas devem perder para manter o equilíbrio da base. “É muito simples. Tenho feito à defesa que todos os partidos que estejam na coligação majoritária, não poderão ter 100% dos pleitos atendidos. O PT tinha o pleito da reeleição da Regina Sousa (PT), chapa pura para federal e estadual.  O Progressistas queria o Ciro Senador  e a Margarete como vice. O MDB tinha três pleitos como chapão para deputado federal e estadual e a vice. Compreendemos que todos vão ter que perder alguma coisa”, disse.
O deputado cita quais os pontos ele acredita que cada legenda deve abrir mão. “É preciso que cada partido abra mão de uma reivindicação. O PT não pode ficar no prejuízo em todos os quesitos. Nosso partido perde quando abre mão de chapa pura para federal. O MDB perde no estadual e o Progressistas perde na vice. Isso mostra que todos estão colaborando. Quem for contra a isso não quer contribuir com a unidade dos partidos coligados”, declara.
O PT tem sido questionado por outros partidos por exigir chapa pura na disputa por vagas na Assembleia, mas defender o chapão na disputa federal. “O melhor caminho para o PT era chapa pura. Pelas circunstâncias vigentes e a conjuntura em relação aos outros partidos estamos colocando a disposição para fazer a coligação  proporcional federal. Isso traz um prejuízo elevado para o pT e benefício para todos os aliados”, destacou.
O parlamentar cita o MDB e PSD para mostrar que os demais partidos não se prepararam para seguirem sem coligação. “Poucos partidos, com exceção do PT, teriam condições de lançar uma chapa sem coligação. Avaliando o exemplo do MDB, o partido só tem um candidato a deputado federal que é o Marcelo Castro. Esse candidato dificilmente alcançaria um patamar de 180 mil votos para se eleger sem coligação. Se colocar o Júlio César do PSD, é semelhante. E outros nomes também. Eles precisam da coligação com o PT”, afirmou. 
Criticado pelos demais líderes partidários que o acusam de criar um mal-estar na base, Assis afirma que as críticas viriam apenas do PT. “Vejo essas críticas com surpresa. Como estou sendo intransigente se estou mostrando que o PT está sendo prejudicado na chapa federal? Todos os outros partidos não exigem o chapão, só o MDB. Então sou eu o intransigente? Essa exigência do chapão é a reivindicação de um partido. De 15 partidos eu estou alinhado com 12 ou 13. É bom fazer uma análise disso. Estão me botando um carimbo que não é meu. Talvez intransigente  é quem não quer abrir mão de nada. Eu estou abrindo mão da coligação federal”, destacou. 
Lídia Brito

sábado, 14 de julho de 2018

Advogado denuncia prefeito Mão Santa ao Tribunal de Contas por suposta irregularidade em licitação

O advogado Jairon Costa Carvalho ingressou no Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI) com denúncia contra a Prefeitura de Parnaíba por suposta irregularidade em licitação para a aquisição de materiais de construção civil para atender as necessidades da Empresa Parnaíbana de Supervisão e Abastecimento - EMPA. Mão Santa é o prefeito do município e Gracinha Moraes Sousa, sua filha, preside interinamente a Empa.
Segundo o advogado, a prefeitura fez a exigência de licenciamento ambiental e isso seria uma cláusula restritiva, além de especificar a marca do cimento que deve ser comprado pela empresa vencedora da licitação.
“Ao agir dessa forma, com estas especificações que irão caracterizar o objeto, podem levar a situações em que ocorra a restrição do caráter competitivo da licitação. Assim poderemos ter situações nas quais o objeto se condicione a um único fornecedor, seja em razão do contratado, seja em razão da sua especificação. O administrador ao descrever o objeto, pode direcionar a um determinado fornecedor”, afirmou.
“O Tribunal de Contas da União tem se posicionado em vários acórdãos sobre a matéria no sentido de que somente se houver justificativa técnica motivada e documentada, é possível indicar uma única marca, inclusive possibilitando o atendimento a uma norma técnica”, destacou Jairon Costa.
Outro lado

O prefeito Mão Santa não foi localizado pelo GP1.
Fonte: GP1

quinta-feira, 12 de julho de 2018

CAOS: Na contramão da educação, Mão Santa fecha duas escolas na zona rural de Parnaíba

As Escolas Municipais, Sebastiana Braz da Costa (Povoado Boa Vista) e José Ribamar de Lira (Povoado Alto do Batista) foram fechadas pelo prefeito Mão Santa. As duas unidades de ensino ficam localizadas na zona rural de Parnaíba. Moradores denunciam o abandono e retratam a realidade das famílias que precisavam dessa assistência nas comunidades.
Na comunidade Boa Vista, a Escola Municipal Sebastiana Braz se encontra fechada a cadeado e sem nenhum cuidado por parte do poder público. Sujeira e abandono retrata o espaço que já voltado para atividades de educação. Moradores relatam que não foram comunicados do motivo pela desativação da escola.
Uma das populares diz ainda, que todas as crianças da região estudavam na escola. “As mães ficaram revoltadas com isso, pois são muitas crianças pequenas para ir para a outra escola mais distante”.

Ermelinda de Souza, que trabalhou trinta e três anos como merendeira da creche, disse que não sabe explicar o que aconteceu para o fechamento do espaço.

Devido o abandono, o espaço já foi alvo de furto por não ter nenhuma vigilância. Objetivos foram levados pelos vândalos. A grade do portão principal está quebrada.
No Alto do Batista, além da sujeira, quase todos os objetos referentes à escola foram furtados. A escola foi fechada no início de 2017, início da gestão do Prefeito Mão Santa, época em que foi feito reordenamento das escolas por parte da Secretaria Municipal de Educação.
Por conta disso, pais precisam enfrentar a estrada em condições precárias para levar os filhos para unidades de educação localizadas na zona urbana da cidade, o que demanda bastante tempo conforme relatou Jesus Silva, mãe de quatro alunos, que estudavam na Escola Municipal José Ribamar de Lira. 

Parnaíba na contramão de uma Lei Federal

Em 2014, a presidenta Dilma Rousseff, sancionou lei que dificulta o fechamento de escolas rurais, indígenas e quilombolas. A Lei 12.960, de 27 de março, altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) para fazer constar exigência de manifestação de órgão normativo, como os conselhos municipais de Educação, do sistema de ensino para o fechamento desse tipo de escola.

ASSISTA O VIDEO:



Por Tacyane Machado / TV DELTA 

Ciro fala de pressão de Temer para Progressistas não apoiar PDT


Foto:WilsonFilho/CidadeVer.com
O presidente nacional do Progressistas, senador Ciro Nogueira, falou ao CidadeVerde.com sobre a informação de que o partido sofre pressão do presidente Michel Temer (MDB), para não votar no pré-candidato à presidente Ciro Gomes (PDT).
O senador nega pressão do Palácio do Planalto. Segundo ele, só faria sentido qualquer forma de pressão se Michel Temer fosse candidato à reeleição.  Ciro diz que o Progressistas tem autonomia para fazer sua escolha.
 “Não tem nada disso. O presidente sabe que o partido tem total autonomia de escolher o melhor caminho. Se o presidente fosse candidato à reeleição era uma realidade. Mas ele não sendo temos total liberdade de escolha. Essa história de dizer que o Palácio está pressionando é uma grande mentira. Estive algumas vezes com ele e  não tocou nesse assunto. Isso é invenção”, destacou. 
De acordo com Ciro, até a próxima semana o Progressistas deve anunciar oficialmente o nome que terá o apoio da legenda para presidência. “Estamos conversando com todos os candidatos e com o bloco de partidos que querem ter uma definição em conjunto. É o famoso Centrão. Acho que até a próxima semana poderemos ter um norte de qual candidato iremos apoiar”, disse. 
Lídia Brito

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Florentino autoriza entrega de equipamentos para a Clínica Escola de Odontologia da Uespi de Parnaíba

O secretário estadual da saúde Florentino Neto, reuniu-se com a coordenadora do Curso de Odontologia da Universidade Estadual do Piauí – UESPI, campus Parnaíba, professora Dra. Ângela Ferraz e o Diretor da Unidade de Descentralização e Organização Hospitalar da Sesapi para tratar sobre a implantação de novos campos de estágio para o curso de Odontologia no Hospital Estadual Dirceu Arcoverde – Heda.

A ideia é que no Heda, os alunos possam participar juntos com os profissionais da unidade hospitalar, de procedimentos cirúrgicos de bucomaxilofacial, serviço recentemente implantado no hospital.

Além disso, Florentino autorizou a entrega de mais equipamentos para a Clínica Escola do Curso de Odontologia da Uespi de Parnaíba, que vem prestando um grande serviço à saúde pública da população, com atendimentos gratuitos.

Por Tacyane Machado – Blog Extra Parnaíba

Parnaíba: Professores contratados do município clamam por pagamento

Resultado de imagem para mão santa
Os professores contratados pela Secretaria Municipal de Educação estão mais uma vez contrariados pela difícil situação quanto aos pagamentos. Uma das educadoras relatou que o secretário não se posiciona a respeito sobre o assunto.

“Estamos finalizando o contrato e o prefeito Mão Santa nada de fazer o nosso pagamento. Os professores enviam mensagens para o secretário, mas ele nem responde, também não atende mais as ligações. Sinto cheiro de calote”, disse uma professora ao denunciar a situação.

Por Tacyane Machado – Blog Extra Parnaíba