trilha

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Governo corta o ponto e abre processos contra professores


A partir de segunda-feira (21) o Governo do Estado inicia as ações para abrir processo disciplinar contra os professores que não voltarem à sala de aula. Os processos tramitarão através da Secretaria de Administração. O secretário de Educação, Átila Lira, afirmou que os pontos de quem não está trabalhando está sendo cortado, porque a greve foi considerada ilegal. Os valores serão descontados nos contracheques. Os professores em greve tentaram invadir a Rádio Pioneira durante um programa do Sinte/PI ontem (19).
Átila Lira considera que a greve acabou, mas um pequeno grupo, considerado por ele, como mais radical, tenta manter o movimento. "Se for preciso ainda vamos convocar professores substitutos para não haver prejuízo no ano letivo.

Queremos assegurar principalmente as aulas do pessoal de terceiro ano e pré-vestibular, mas toda a rede de ensino estadual está funcionando.", assegurou.

O secretário de Administração, Paulo Ivan, comentou que a Educação deve informar os nomes dos professores que devem responder a processo disciplinar por abandono de emprego. Eles devem ser notificados da ação para defesa. O processo ainda deve ter o aval da Procuradoria Geral do Estado.

O Governo não vai persistir em tentativas de acordo com os professores que mantém a greve. Ficou decidido que a mensagem de aumento de 22,23% será encaminhada para a Assembleia Legislativa para ser pago de forma escalonada em quatro vezes. O projeto deve ser apreciado esta semana pelos deputados da casa.

Se precisar convocar professor substituto, o secretário de Educação já avisou que o dinheiro vai sair do desconto que será feito nos contracheques dos faltosos. Em Teresina, são 159 escolas da rede estadual de ensino. E ele informou que a greve estava concentrada na capital, agora tem apenas um pequeno grupo que insiste no movimento. "A greve acabou.", afirmou Átila Lira.

Para o secretário, a maioria dos professores está satisfeita com a proposta de aumento de reajuste apresentada pelo Governo sendo: 8% em maio, 10% em junho , 12% em agosto, e 22% no mês de outubro.

"O que tínhamos para negociar já foi feito. Os professores têm que entender que o aumento já foi concedido e a complementação negociada de forma escalonada será atendida. Chegamos ao limite financeiro do Estado. Estamos cumprindo a lei. Se ampliássemos o reajuste de outra forma, os salários iam acabar atrasando. Vamos pagar somente o que podemos", argumentou Átila Lira.

Ontem (19), um grupo de manifestantes dos professores tentou invadir a Rádio Pioneira para se manifestar durante um programa de rádio do Sindicato dos Trabalhadores em Educação, quando falava sobre as justificativas para encerrar o movimento grevista da categoria. O movimento foi contido pela Polícia Militar que foi chamado ao local.
180graus