segunda-feira, 28 de maio de 2012

Mesmo após anúncio de engenheiro, obras da ZPE não iniciaram

Após visitas de vários nomes do governo estadual no terreno onde serão realizadas as obras da Zona de Processamento e Exportação (ZPE) de Parnaíba, entre eles, o governador Wilson Martins acompanhado dos deputados Juliana Moraes Souza e Ismar Marques, e o secretário de infraestrutura do estado, Castro Neto, nem mesmo a sede administrativa foi contruída ainda.

O Proparnaiba.com publicou no dia 11 de maio, que o teto da sede
administrativa não teria suportado fortes ventos durante a noite anterior do registro da matéria. Mas, segundo informações do engenheiro Roberto Filho, responsável técnico, da Construtora Solis, empresa contratada para executar as obras da Zona de Processamento e Exportação (ZPE) de Parnaíba, a construção da sede administrativa ainda não teria sido iniciada, e que na verdade, um depósito para materiais e apoio coberto a engenheiros e funcionários durante o horário de expediente, perdeu o teto.
De acordo com o engenheiro, a construção da sede administrativa da ZPE seria iniciada a partir do dia 16 de maio, com a locação do prédio e gabarito.
Na tarde de ontem, a equipe do Proparnaiba.com esteve no local, por volta das 17h, e pode constatar que mais uma vez, o anúncio não condiz com a prática, já que a única coisa que há no local, são depósitos para material de construção.
Outro ponto preponderante é que o desmatamento que deveria estar em ritmo avançado, continua praticamente da mesma forma desde a visita do governador do estado, realizada no último dia 04 de maio, que fez visitação no intuito de inspecionar as obras, porém nesta data, Wilson Martins não teve muito o que ver, a não ser fazer a verificação das plantas das obras.
O tempo passa e o avanço do desenvolvimento econômico da cidade de Parnaíba parece ficar mais distante, já que sem a ZPE, o Porto de Luís Correia, a falta de voos regulares no Aeroporto Internacional, findam o sonho do litoral piauiense ser reconhecido  como o local certo para que empresários do mundo todo possam investir, o que consequentemente retira da população, a chance de melhores condições de vida.
Proparnaiba