sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Firmino " bota banca" sobre união do PSDB com PMDB

DSC_0510.JPGO prefeito de Teresina Firmino Filho (PSDB), durante visita ao Rio Poti na manhã desta sexta-feira (14/02) onde acompanhou a retirada de aguapés e canaranas das margens do rio, que estão provocando o assoreamento e o impedimento do percurso natural das águas, aproveitou o momento para discutir sobre a problemática que envolve o saneamento básico na capital, e destacou também o momento político em que vive seu partido.
Assim como sempre vem falando, o prefeito tornou a afirmar que não existe aliança alguma firmada com PMDB e PSB. Segundo ele, o que existem são conversas bem avançadas, mas, contrariando o empolgado pré-candidato ao governo e deputado federal Marcelo Castro (PMDB), Firmino disse que ‘não existe nenhum prego batido de ponta virada’.
Enquanto maior liderança política do PSDB no estado, o prefeito da capital, desde sempre tem mostrado seu descontentamento quanto à posição em que seu partido foi colocado dentro da chapa governista, onde ficou apenas com a vaga de vice-governador, cargo esse que foi abraçado mesmo que de forma insatisfeita pelo ex-prefeito de Teresina Sílvio Mendes. Indagado sobre essa possível desaprovação para com o nome de Marcelo Castro, o tucano afirmou que nada é decidido somente com uma pessoa dentro do partido, e que tudo é reflexo de um grupo maior e de até mesmo todo o partido, o que mostra de fato o descontentamento tucano em ficar apenas na vice-governadoria, caso as alianças se confirmem.
Firmino disse que nesta última semana uma reunião realizada pela comitiva tucana em âmbito nacional, onde ficou decidido que as formações de chapas que incluem o partido em qualquer estado deverá passar por um crivo nacional, incluindo o Piauí. “Não podemos afirmar que a chapa está formada, o PSDB nacional ainda não aprovou nem desaprovou, eles querem saber como ficará o posicionamento do partido dentro da chapa, Aécio Neves quer ter um espaço privilegiado no palanque”, disse.
Sobre a especulação de que os tucanos devem ocupar cargos de primeiro escalão dentro do governo, como a Secretaria de Cidades e a SASC, o prefeito disse que o partido não está na briga por esses cargos, e que ainda não existe nenhum acordo sobre quem deverá assumir as pastas.
Nestas últimas semanas, o tucano tem se encontrado frequentemente com o vice-governador Zé Filho (PMDB), que tem se mostrado insatisfeito por não ter sido colocado como o cabeça de chapa, cargo este que vinha sendo planejado há muito tempo pelo peemedebista. Firmino disse que suas reuniões com o parnaibano tem muito de teor político, sobre sucessão governamental e sobre as posições em que os partidos tomarão na aliança que se forma. Resta aguardar para sabermos o que de fato será decidido até o último instante antes das convenções.
180graus