segunda-feira, 24 de março de 2014

Piauí registrou 101 assassinatos nos 2 primeiros meses de 2014, diz Sinpolpi

Pesquisa realizada pelo Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Piauí (Sinpolpi) para medir a violência no Estado revela que nos dois primeiros meses de 2014, 101 pessoas foram assassinadas no Estado. Os números mostram ainda que o mês de janeiro foi o mais violento desde que a pesquisa começou a ser realizada há cerca de três anos com um total de 55 crimes dolosos contra a vida.

Segundo os dados, em fevereiro aconteceram 46 assassinatos. Os números mostram que neste ano quase um quarto dos homicídios aconteceram na Capital, com um total de 73 casos. Em janeiro, enquanto 45 pessoas eram mortas em Teresina, a Polícia registrada no interior “apenas” 10 assassinatos, um dos menores números já registrados pela pesquisa.

“O mais preocupante é que outras regiões começam a rivalizar com o Promorar em termos de violência. Em fevereiro dos 13 assassinatos registrados na zona Sul, quatro aconteceram na Vila Irmã Dulce”, afirma o presidente do Sinpolpi, Cristiano Ribeiro.

Cristiano lembra que nos primeiros dois meses de 2014 foram registrados os assassinatos de 10 mulheres, sendo sete em fevereiro e três em janeiro, onde se encontra o caso de um corpo feminino encontrado esquartejado e que até hoje a Polícia não conseguiu identificar a vítima e desvendar o crime.

Outro dado estarrecedor é o grande número de moradores de rua assassinatos neste período, em um total de quatro casos, três deles registrados em janeiro.

Com relação a ocupação das vítimas, continua muito alto o índice de pessoas que tinha débito com a Justiça e ou envolvimento com drogas e assaltos. Pelo menos 27 pessoas eram ex-detentos, ex-internos, detentos, assaltantes ou traficantes, entre as 101 pessoas mortas em janeiro e fevereiro no Piauí.

Dos assassinatos, conforme os dados da pesquisa, mais da metade foram cometidos por arma de fogo. Os casos praticados com armas brancas aparecem em segundo lugar e está aumentando os delitos praticados por outros instrumentos, como pau, pedra, cordas, dentre outros.
Fonte: Com informações da Assessoria