terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Wellington Dias receberá Governo com 97% das obras paralisadas

A equipe de transição deve entregar até o dia 29 o relatório final sobre a situação financeira e de gestão do Estado ao governador eleito Wellington Dias (PT). Entre os dados que serão apresentados ao futuro gestor, chama atenção a quantidades de obras paradas na capital. De acordo com a advogada Viviane Moura, que integra a comissão, apenas 3% das obras no Piauí estão em andamento.
Assim, Wellington Dias receberá o governo no dia 1º de janeiro com 97% das obras paralisadas. Viviane Moura afirma que apesar das obras estarem paradas, o Estado possui recursos novalor de R$ 1, 1 bilhões para a conclusão. “53% das obras que possuem esses recursos assegurados não foram iniciadas, outras 37% foram iniciadas mas pararam no meio do caminho e das 10% restantes, apenas 3% estão em execução”, explicou.
De acordo com a integrante da comissão, a equipe de transição vai propor a Wellington Dias que seja feita a revisão dos contratos das obras paradas. “Além da revisão dos contratos é preciso fazer um levantamento das condições físicas e dos recursos disponíveis para estas obras. Só após essa etapa poderemos iniciá -las”, destacou.

A duplicação da BR-343, na saída Leste de Teresina, é uma das obras paradas
No relatório que será apresentado ao governador, a comissão conclui que o problema das obras paradas no Estado não foi causado por falta de recursos. Segundo o levantamento realizado pelos técnicos, faltou gestão e planejamento. “O dinheiroexiste, mas não foi utilizado por alguns fatores”, declarou.
Nesta lista estão grandes obras com a construção do Rodoanel e a duplicação das BRs 316 e 343. A situação se repete na interligação (viaduto) da Avenida Presidente Kennedy com a Avenida João XXIII e viaduto da Avenida Miguel Rosa. No interior do Estado entra na lista rodovias na região dos cerrados piauienses, rodoanéis em 10 cidades do interior, ampliação do projeto Piauí Digital, ampliação do Ronda Cidadão e portos secos nos municípios de Picos, Floriano e Teresina.
A obra do Rodoanel está parada devido a um embargo por questões ambientais. A obra foi iniciada sem que fosse apresentado um estudo que revelasse os impactos da construção no meio ambiente. No caso da duplicação da BRs 343 e 316, o Estado não fez as desapropriações necessárias para o andamento da obra.
 Lídia Brito /Jornal O Dia