quarta-feira, 26 de julho de 2017

DEPOIMENTO SOBRE JEFFERSON RODRIGUES MOREIRA

Por Alcenor Candeira Filho 

Ao iniciar este depoimento sobre Jefferson Rodrigues Moreira logo me vem à memória a imagem  do cidadão exemplar, oficial do Exército brasileiro que integrou a Força Expedicionária Brasileira na Itália durante a Segunda Guerra Mundial. 
Médico psiquiatra, bacharel em direito, professor de Medicina Legal na Universidade de Brasília, membro do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Parnaíba, Jefferson Moreira nasceu em Santa Quitéria-MA em 1912 e faleceu em Brasília em 2000. 
É sabido que todos os homens, inclusive os que se destacaram em sua época, estão predestinados ao esquecimento, cabendo ao escritor ou historiador difundir-lhes os feitos e as virtudes aos mais jovens, aos que ainda têm o ideal de um destino a ser cumprido. 
Na década de 1950  Jefferson Moreira foi em duas legislaturas deputado estadual no Maranhão, fazendo oposição aos caciques políticos Vitorino Freire e José Sarney. 
No início dos anos 60 fixou residência em Parnaíba para dar apoio à minha família, profundamente traumatizada com o assassinato de seu cunhado e meu  pai Alcenor Rodrigues Candeira, na praça da Graça, em 11 de outubro de 1959, dia da padroeira de Parnaíba – Nossa Senhora da Graça -, antecipado inexplicavelmente, em 1992, pelas autoridades eclesiásticas e legislativas para o dia 8 de setembro. 
Jefferson Moreira e sua esposa Aldenora Moreira foram incansáveis na luta para que a justiça fosse feita com a condenação dos quatro  assassinos, o que acabou não acontecendo na forma esperada: Clodoveu Cavalcante foi absolvido em julgamento realizado em Piripiri-PI, em 1964, enquanto seu filho caçula Veudacy Cavalcante foi condenado em Teresina, em 1966, a apenas seis anos de reclusão. Os outros dois réus – Jamacy e Clodoveu Filho – nunca foram julgados. 
Na página inicial de meu livro O CRIME DA PRAÇA DA GRAÇA, publicado em 2008, fiz a seguinte dedicatória: 

            “Para minha mãe e tios 
                Maria de Lourdes Castelo Branco Candeira 
                Aldenora Candeira Rodrigues Moreira 
                Jefferson Rodrigues Moreira 
                - que em momentos difíceis tiveram a coragem de lutar por justiça 
                e a grandeza de perdoar. 
                Para meus irmãos 
               Carlos José Castelo Branco Candeira 
               Ana Maria Candeira Alencar 
               Tânia Maria Candeira Correia 
               - que também souberam perdoar. 

Durante o tempo em que residiu em Parnaíba, entre início e fins da década de 1960, Jefferson Moreira exerceu a profissão de médico e foi secretário de planejamento na administração de Lauro Andrade Correia (1963-1966). 
De junho a dezembro  de 1965 trabalhei sob seu comando na secretaria de planejamento. Recordação inesquecível: numa sexta-feira do mês de julho, época de férias escolares, eu não conseguia datilografar corretamente expedientes de rotina administrativa por ele ditados e com a sensibilidade de quem era capaz de aprofundar-se nos segredos da alma humana bateu no meu ombro e disse: “Vá embora. Seu pensamento está na Pedra do  Sal. Corra para lá, que na segunda-feira prosseguiremos nos trabalhos!” 
Nesse período manteve permanente colaboração no jornal FOLHA DO LITORAL (cujo arquivo lamentavelmente não foi conservado), no qual publicou dezenas de textos sobre a segunda guerra mundial, de que participou ao  lado dos Aliados como oficial-médico do Exército e integrante da Força Expedicionária Brasileira, força militar aero-terrestre constituída por 25.834 homens e mulheres sob o comando do General João Batista Mascarenhas de Morais. Jefferson Rodrigues Moreira foi, assim, testemunha presencial da participação do Brasil na Campanha da Itália em suas duas últimas fases – o rompimento da Linha Gótica e a Ofensiva Aliada final. 
Segundo a enciclopédia Wikipédia, “o Brasil perdeu nesta campanha, mortos em ação, quatrocentos e cinquenta e quatro homens do Exército, e cinco pilotos da força aérea. A divisão brasileira ainda teve cerca de duas mil mortes decorrentes dos ferimentos de combate, e mais de doze mil baixas em campanha por mutilação ou outras diversas causa incapacitantes para a continuidade no campo de batalha”. 
Durante todo o tempo em que residiu em Brasília Jefferson Moreira participou com muito orgulho dos desfiles militares do dia 7 de Setembro no pelotão dos Veteranos da FEB. 
Concluindo: este testemunho é a homenagem que devo ao meu tio e padrinho de batismo Jefferson Rodrigues Moreira, chamado pelos familiares de Detinho. São palavras de quem muito admirava e estimava o tio que sempre ensinou que o estudo e o trabalho são o maior legado que se pode deixar às gerações mais novas. 
Era casado com a única irmã de meu pai – professora universitária Aldenora Candeira Rodrigues Moreira – com quem teve quatro filhos: Jefferson Júnior (falecidos poucos dias depois do nascimento), Liana, Sônia e Maria de Jesus, todas profissionais de nível superior e residentes em Brasília.