quarta-feira, 14 de março de 2018

Fátima Carmino volta a cobrar organização do Diário Oficial do Município

Por questões de transparência das ações da gestão municipal, a vereadora Fátima Carmino (PT), voltou a cobrar em sessão legislativa, a devida organização do Diário Oficial do Município. Segundo a parlamentar, o diário não está pesquisável, as informações desorganizadas e a fonte não é legível em vários pontos, o que dificulta a leitura dos dados.
Enquanto o problema não é resolvido, segundo a parlamentar, os vereadores que tem o dever e o direito de fiscalizar os atos da gestão público, como também a população ficam prejudicados, pois não toma conhecimento de atos importantes da gestão, como licitações, contratos, despesas e receitas do município.

Outro ponto ressaltado pela vereadora durante sessão diz respeito ao problema dos semáforos nos principais pontos da cidade, que segundo ela, tem sido constantes os problemas, que consequentemente atrapalha o trânsito.

Carmino disse ainda que a empresa responsável pela manutenção dos semáforos precisa ser monitorada. “Considerando o número de transporte que nós temos na cidade, se torna uma coisa perigosa”, ressaltou. Ela acrescentou que ou a empresa não trabalha de forma resolutiva ou a Prefeitura precisa tomar as devidas providências.

A vereadora também reclamou da falta de manutenção em equipamentos da Câmara de Parnaíba, especificamente os microfones, que deveriam passar por manutenção constante devido ao uso contínuo, mas estes estão apresentando problemas e há mesas que não possuem o equipamento instalado por ter apresentado defeito. “Pode parecer insignificante, mas esse ano, a Câmara recebeu mais um milhão e quatrocentos mil reais a mais do que recebeu o ano passado, que passou dos oito milhões. Se foi recebido esse valor e não tem como fazer manutenção para que possamos trabalhar, então aí tem problema. Nosso regimento diz que dia 20, a Câmara deve prestar contas do legislativo aos vereadores, mas não estamos vendo isso”.

Fátima Carmino relatou que, ao entregar sua prestação de contas nesse mês, percebeu que havia sido depositado a mais em sua conta, o valor de R$ 400,00 (quatrocentos reais) a mais do que ela deveria ser restituída. “De imediato, eu liguei para o contador e pedi que ele me repasse as orientações necessárias para que eu pudesse devolver o dinheiro. Posteriormente, eu pedi também que ele enviasse um comprovante da titularidade da conta”.

“Eu quero registrar em ata, quero pedir a cópia da ata também, para que conste que eu transferi de volta para a conta da Cãmara, no dia 06 de março de 2018, o valor de R$ 400. Até o comprovante do banco referente à devolução eu tenho em mãos. Eu passei quatro ano em gestões passadas e nunca aconteceu isso. Eu devolvi esse dinheiro que indevidamente foi parar na minha conta não sei por quais reais motivos”, enfatizou a vereadora.

Por Tacyane Machado