sábado, 23 de junho de 2018

A segunda morte de São João foi na Parnaíba - Por Pádua Marques


Agora que junho está no fim e o São João da Parnaíba está morto e enterrado, digo como o finado colega meu, “do alto dessas sinagogas que ninguém há de abalar e nenhum acontecido há de fazer tremer”, fico olhando a que ponto nós chegamos com o mês mais alegre do ano depois do Natal.  Assim brincando, esse pessoal que está aí acabou acabando com o São João da Parnaíba.

É que desde o ano passado o prefeito Mão Santa resolveu desprezar toda a estrutura do Quadrilhódromo e as quadrilhas e o Bumba-meu-boi agora passaram a se exibir nos bairros. É uma decisão que vai contra todos os princípios de quem entende de festas populares e sua relação com o turismo. Pra quem deseja atrelar o folclore à atividade produtiva e assim formar capital, ele está conseguindo fazer o contrário.

O São João da Parnaíba, que a muito custo alcançou relevo e projeção fora do Piauí, agora está fadado ao fim com as apresentações em escolas e meio de rua na periferia, lá no Deus me livre, pra lá do caixa-pregos, para ele Mão Santa, alguns poucos assessores e menos ainda uns poucos moradores que não gostam de novela. Nada contra quem mora em bairros afastados.

Mas até agora ninguém sabe ao certo se essa morte anunciada do São João da Parnaíba foi coisa dele Mão Santa ou se saída da cabeça de bagre de algum assessor, desses de conveniência, sem opinião própria e que ajudariam e muito se permanecessem calados ou estudassem mais, viajassem mais e vissem como se produz riqueza com a cultura quando se juntam o folclore e o turismo.

Assessores pagos pra balançar a cabeça. Esse pessoal esquece que o São João da Parnaíba só é o que é hoje, devido à persistência, muito suor derramado, dinheiro, tempo, amor e audácia de gente igual o Gerivaldo Benício, o Batista do Catanduvas, o Liberato e tantos outros que fizeram, levaram anos e mais anos e muito e tudo pra que esta festa chegasse ao nível que chegou.

Em outro tempo nossas quadrilhas ganharam prêmios dentro e fora do Piauí, divulgaram nossas potencialidades turísticas, históricas, gastronômicas e outras riquezas nossas. Agora o São João da Parnaíba, disperso, assistido por poucos, escondendo a cabeça, feito cachorro com medo de foguete, está correndo o risco de dentro em pouco acabar de vez. Mas eu acho que a ideia desse pessoal, a intenção principal seja essa mesmo. Eles têm consciência de que estão fazendo a coisa errada, mas continuam fazendo!
Dá pra imaginar o prefeito do Rio, Marcelo Crivela, depois de tudo o que o carnaval representa pro Brasil, na visibilidade e geração de riquezas, decidir que os desfiles sejam realizados nos bairros, tipo Cascadura, Meier, Bonsucesso, Ramos, Madureira, Nova Iguaçu, Japeri, Queimados? Qual é o turista que vai se atrever a ir à periferia, andando feito besta pra ver as escolas de samba? É preciso que estes assessores de Mão Santa entendam e digam pra ele uma coisa: certas coisas não podem ser mudadas de lugar porque se acabam.


*Pádua Marques, jornalista, membro da Academia Parnaibana de Letras, do Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Parnaíba, da Academia de Letras da Região de Sete Cidades, entre outras entidades culturais.